Conheça mais sobre a Portabilidade de Crédito

Considerar a Portabilidade de Crédito quando se tem uma dívida ativa que não consegue pagar, é uma chance de quitar as contas de uma maneira mais simples e compatível com as suas necessidades.

Tudo depende de uma boa negociação, que deve ser benéfica tanto para o credor, quanto para o endividado. Mas atenção, isso é tão importante que ela só é permitida de ser feita em casos de novos valores de juros menores para o pagador.

Ou seja, é a oportunidade de renegociar suas dívidas da melhor maneira e garantir o fim das contas.

Antes de tudo, você deve saber que ao escolher esse tipo de negociação deve priorizar a quitação da dívida, além de ter muita responsabilidade para evitar a criação de novas contas.

O que é a Portabilidade de Crédito?

A Portabilidade de Crédito é uma saída encontrada por instituições financeiras para garantir que os devedores paguem suas dívidas.

É a possibilidade de transferir a sua dívida para outra instituição, em busca de melhores condições de pagamento.

É uma operação pouco conhecida até hoje, mesmo já existindo a um certo tempo. Ela foi criada pelo Governo a alguns anos, com o objetivo de facilitar a vida dos endividados e estimular a competição por juros menores nos bancos.

Como funciona a Portabilidade de Crédito?

A dívida pode ser transferida entre instituições via TED (Transferência Eletrônica Disponível), e a nova empresa, responsável por acatar a dívida do consumidor só pode mexer no valor da taxa de juros. Condições de prazo e valor da dívida não são alterados.

O banco em que o cliente possui a dívida é obrigado a fornecer esse tipo de serviço ao consumidor, já a nova empresa, que o cliente deseja transferir o saldo devedor não é obrigado a aceitar o pedido de Portabilidade de Crédito.

Em caso de recusa, o banco tem a obrigatoriedade de emitir um aviso escrito, contendo o porque se negou a acatar a dívida. Isso está previsto no Código do Consumidor e deve ser cobrado pelo cliente.

Por isso, ao considerar essa prática, pesquise muito bem se a instituição bancária que você considera mais atrativa poderá aceitar seu pedido.

Outro fator que deve ser levado em consideração, é a cobrança de portabilidade que a nova instituição pode realizar, ao efetuar a transferência da dívida. Essa prática é liberada e deve ser levada em conta.

Afinal, se a taxa cobrada for relativamente alta, compensa analisar e verificar se a troca é realmente mais vantajosa.

Antes de iniciar o processo de Portabilidade de Crédito, é importante também solicitar a nova empresa o relatório do CET (Custo Efetivo Total) da operação.

Dessa forma você tem um demonstrativo completo que lhe permitirá ver ponto a ponto os novos valores de juros cobrados na sua dívida.

Quando a contratação é feita, o novo banco transfere o valor total da dívida para o antigo credor, liquidando o empréstimo realizado pelo cliente.

Após essa etapa, o cliente passa a pagar os novos valores para o novo banco, com as taxas de juros menores do que as antigas.

Quem tem acesso a Portabilidade de Crédito?

Qualquer pessoa física que tenha realizado contratação de crédito em instituições financeiras pertencentes ao Sistema Financeiro Nacional (SFN).

Todas as dívidas podem ser transferidas?

Linhas de crédito como cheque especial, crédito imobiliário, crédito pessoal, financiamento de veículo, crédito consignado e cartão de crédito estão dentre as operações permitidas na Portabilidade de Crédito.

A transferência é permitida também para dívidas de qualquer valor.

Em casos de dívidas próximas da data de vencimento do contrato, a opção mais aconselhada é a renegociação com a própria instituição.

Isso porque as chances de um novo banco acatar ao seu pedido diminuem drasticamente pelo risco de não recebimento do crédito.

Quais documentos são necessários para realizar a Portabilidade de Crédito?

Isso irá variar de acordo com as instituições que você irá trabalhar, mas geralmente os documentos solicitados são o nome e o CPF do titular da dívida, além de comprovantes de residência e até mesmo comprovantes de renda.

Documentos específicos sobre a dívida como o número de contrato, o saldo remanescente, qual é a modalidade do crédito, as taxas de juros praticadas, prazos de pagamento, sistema de pagamento utilizado, valor por prestação também serão solicitados.

Como posso fazer a Portabilidade de Crédito?

Cada instituição possui seu modelo a seguir. O mais indicado é você realizar uma simulação de portabilidade junto as instituições de interesse, para saber os valores reais sobre a sua quitação.

Mas em linhas gerais, você deverá reunir todos os documentos mencionados, e mais alguns que possam ser solicitados, e procurar a instituição que deseja.

Você irá apresentar a proposta de acordo com os moldes e valores praticados no banco. Uma análise de crédito será realizada, e caso a instituição aceite sua proposta, ela deverá dar início ao processo de transferência da dívida.

Os prazos de comunicação de um banco para outro costumam ser rápidos, e a atual credora tem a obrigação de fornecer todos os dados solicitados, assim como a autorização da Portabilidade de Crédito.

As negociações de prazo e pagamento da dívida serão realizadas entre os bancos, e com a transação acordada entre ambas as partes, você receberá o aviso de que sua dívida foi transferida.

A partir daí, você já passa a tratar com a nova financeira, que escolheu para acatar as dívidas.

A dica para realizar a transação da Portabilidade de Crédito é pesquisar muito melhores taxas de juros e condições de atendimento. Além disso, organize sua vida financeira e evite contrair mais dívidas durante o processo do pagamento.

Dessa forma, no tempo estipulado você voltará a ter uma economia controlada e livre de dívidas e obrigações de pagamento.

Leia também:

Saiba como funciona o Empréstimo Pessoal para negativados Lendico

Descubra algumas formas para conseguir investir o seu dinheiro