Entenda como funciona a Previdência Privada

A Previdência Privada, assim como a Previdência Social, são formas de garantir uma velhice mais tranquila e segura.

Porém, cada uma tem suas particularidades, e nesse artigo você saberá distingui-las, além de poder entender um pouco melhor sobre a modalidade privada.

O que você deve saber, a princípio, é que a Previdência Privada é uma forma de garantir uma renda mais alta quando aposentar. Isso é uma vantagem enorme, já que o benefício do INSS é sempre menor ao valor que se recebia quando trabalhava.

Além disso, para algumas pessoas, a Previdência Privada pode ser uma das poucas opções de garantia de um futuro sem maiores complicações.

Portanto, o objetivo maior que algumas pessoas buscam ao contratar uma Previdência Privada, é justamente complementar a renda advinda da Previdência Social na velhice.

O que é a Previdência Privada?

A Previdência Privada também é uma forma de aposentadoria, porém, recolhida por algum órgão de iniciativa privada. Ela pode ser contratada em bancos, financeiras, além de ser oferecida por algumas empresas privadas.

No caso das empresas privadas, elas recolhem uma parte do salário de seus empregadores, acrescentam uma parte com a verba da própria empresa e, mensalmente, vão acumulando um valor para ser utilizado pelos empregados na aposentadoria.

Se você está pensando em adquiri uma Previdência Privada, não deixe de conferir junto a sua empresa se eles oferecem esse benefício. Se sim, você não precisar recorrer a mais uma forma de benefício, a não ser que deseje.

Esse tipo de previdência mencionado é muito conhecido como fechado. Mas existe também a forma aberta da Previdência Privada, e é sobre ela que é importante entender mais.

A previdência aberta costuma ser mais comum que a anterior, e pode ser contratada por qualquer um. Dentro dessa modalidade ainda existem mais duas subdivisões: o PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e o VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre).

PGBL x VGBL: qual a diferença?

A diferença entre essas duas modalidades está na forma de tributação. No momento do resgate dos valores acumulados, o PGBL tem a incidência do Imposto de Renda sobre todo o valor acumulado.

Já o VBGL tem a incidência do Imposto de Renda somente sobre o valor do rendimento, não sobre todo o valor acumulado.

Ou seja, se você optou por uma Previdência Privada PGBL e acumulou ao longo do tempo um total de R$100.000,00, o Imposto de Renda irá ser calculado em cima de todo o valor, ou seja, os R$100.000,00.

Enquanto que na Previdência Privada VGBL, se você acumulou a mesma quantia, porém teve um rendimento de R$20.000,00, o IR irá incidir apenas sobre os juros acumulados no período, os R$20.000,00.

Portanto, ao escolher um regimento de Previdência Privada dê preferência para a VGBL.

Outro fator importante que deve ser escolhido no momento da contratação da Previdência Privada é qual será o tipo de imposto que irá incidir no momento que você fizer o resgate do dinheiro.

Existem duas opções: o regressivo e o progressivo. O regime progressivo é a melhor escolha para quem pretende deixar o dinheiro na Previdência Privada por muito tempo, somente na hora da aposentadoria.

Isso porque quanto maior o tempo da aplicação, menor serão os impostos que você deverá pagar ao receber a quantia.

Já a forma progressiva é mais indicada para quem está iniciando os investimentos em uma Previdência Privada mais tarde, com intenção de utilizar o valor em um futuro próximo.

E quais são as diferenças entre a Previdência Privada e a Previdência Social?

Enquanto a Previdência Social é administrada pelo governo, a Previdência Privada é administrada por instituições privadas, como bancos, por exemplo.

Além disso, todo brasileiro com carteira assinada já possui acesso ao benefício da Previdência Social, enquanto que na Previdência Privada é necessário que o cidadão corra atrás de tudo, a não ser que o benefício seja concedido pela empresa que trabalha.

Outro fator é que enquanto na Previdência Social existe um teto de salário que o aposentado pode receber, na Previdência Privada os valores irão variar conforme o tempo e o dinheiro aplicado.

Ou seja, existem possibilidades de receber mais que na iniciativa do governo.

Além disso, a Previdência Social pode ser acionada a qualquer momento em casos de doenças, acidentes ou gravidez. A Previdência Privada tem um tempo pré-determinado no ato da contratação para poder ser utilizada.

Por último, uma das principais diferenças é que na Previdência Social, todos os contribuintes fomentam com a renda dos aposentados. Já na Previdência Privada o único contribuinte e responsável pelo benefício é o próprio contratante.

Quais as formas possíveis de resgatar o dinheiro na Previdência Privada?

Na Previdência Privada, você consegue escolher, no momento da contratação, pelo menos 3 formas de retirar o dinheiro investido: o Resgate Total, a Renda Temporária e a Renda Vitalícia.

  • Resgate Total: você pode retirar todo o dinheiro disponível, de uma só vez, depois do prazo permitido, estipulado no contrato.
  • Renda Temporária: Depois do prazo permitido, também estipulado em contrato, você pode passar a receber uma quantia mensal por um tempo determinado. Porém, nesse tipo de resgate existe um tempo pré-determinado (também previsto em contrato).
  • Renda Vitalícia: Você pode receber uma quantia mensal, até o momento de sua morte. Em caso de falecimento, fica pré acordado a transferência do restante do dinheiro para um beneficiário.

Agora que você já sabe mais, tenha em mente que o importante é ter pelo menos uma forma de garantia futura, seja através da Previdência Social ou da Previdência Privada.

Vale ressaltar ainda que nos casos da Previdência Privada, o interessado deve avaliar muito bem quais das modalidades é a mais interessante e qual instituição pratica as melhores condições e oferece os melhores benefícios.

Leia também:

Entenda como funciona o ConstruCard

Como obter um Empréstimo Pessoal da Caixa